Visão Geral:

São José do Vale do Rio Preto pertence à Região Serrana, que também abrange os municípios de Bom Jardim, Cantagalo, Carmo, Cordeiro, Duas Barras, Macuco, Nova Friburgo, Petrópolis, Santa Maria Madalena, São Sebastião do Alto, Sumidouro, Teresópolis e Trajano de Morais.

O município tem um único distrito-sede, ocupando uma área total 2 de 220,4 quilômetros quadrados, correspondentes a 3,2% da área da Região Serrana. Os limites municipais, no sentido horário, são: Três Rios, Sapucaia, Sumidouro, Teresópolis e Petrópolis.

O principal acesso a São José é feito pela BR-116, para Teresópolis, ao sul, e Sapucaia, ao norte. A RJ-134 o liga a Areal e Petrópolis, a oeste, conectando com a BR-040, a Rio-Juiz de Fora.

Aspectos demográficos:

Em 2010, de acordo com o censo 3, São José do Vale do Rio Preto tinha uma população de 20.251 habitantes, correspondente a 2,5% do contingente da Região Serrana, com uma proporção de 100,4 homens para cada 100 mulheres. A densidade demográfica era de 91,8 habitantes por km², contra 116 habitantes por km² de sua região. A taxa de urbanização correspondia a 44% da população. Em comparação com a década anterior, a população do município aumentou 5%, o 67º maior crescimento no estado.

 A população rural representa 53,52% (cinquenta e três vírgula cinquenta e dois por cento) da população do Município, segundo dados do IBGE-1991.

 De acordo com o mapa do macrozoneamento de São José do Vale do Rio Preto, podemos verificar que a região está dividida em quatro macrozonas:

Suas principais áreas de preservação ambiental, oficialmente existentes, estão localizadas  na parte Sul do Município.  

Economia:

O Município tem sua economia totalmente voltada para a produção de hortifrutigranjeiros, com privilégio de localizar-se próximo aos grandes centros consumidores, como o Rio de Janeiro e cidades de médio porte da Região Serrana e do Vale do Paraíba.

É o maior produtor hortifrutigranjeiro do Estado do Rio de Janeiro.

Em fruticultura, destaca-se a cultura do caqui, onde o Município se destaca como maior produtor do Estado, e nos últimos anos o município também vem se destacando  na produção de Pocan.

Na pecuária, destaca-se em grande e média escala a criação de ovinos, suínos,  caprinos, bovinos e eqüinos,  o que  podemos  observar pelo   grande   número  de  fazenda com gado leiteiro e para o corte.

Não se verifica miséria entre a população vale-riopretana, pois não se encontram mendigos pelas ruas e calçadas no território municipal.


Patrimônio material:


Fazenda Belém


É tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – Inepac.

Toda a mobília da casa-sede é de época, como as cadeiras vindas da Europa, os móveis esculpidos em madeira vinhático, comum na região, as mesas para 14 lugares, um piano Isidoro Bevilacqua Ronisch com castiçais para velas, que está há 118 anos na família proprietária, e um dos primeiros aparelhos de telefone a chegar ao Brasil.

A fazenda guarda documentos de avaliação dos 104 escravos que trabalhavam na lavoura de café, além de troncos de sucupira e outros instrumentos de tortura.

A propriedade, de 94 alqueires de terra, conta com uma usina de açúcar e com o antigo beneficiamento de café. Na Estrada do Belém.

 
Capela Nosso Senhor dos Passos

 A pedra Fundamental da capela foi depositada em 5 de janeiro de 1903, após procissão e benção.

Foi inaugurada em 31 de agosto do mesmo ano. De estilo colonial, conta com telas da morte de Jesus Cristo, entre outras pinturas sacras doadas por fiéis. Foi restaurada recentemente, e tem preservado o altar original em madeira.


Igreja Matriz de São José

Erguida em 1808, a matriz em estilo colonial é cercada por casario antigo, pertencente às famílias tradicionais da cidade.

Reflexo da importância da religião na época, era na igreja matriz que eram feitos registros de nascimento, casamento, óbitos e escrituras de terras, além de ser através dela que se realizavam escolha de juízes de paz e vereadores, leilões de escravos e registros de testamentos, situação que perdurou até a proclamação da República.

Da construção original, tem-se apenas a primeira torre, nos fundos da Igreja, onde se encontrava sua porta principal. Além da torre original mantida, foram construídas duas torres novas, numa série de reformas que datam de 1841. Nos fundos, estava instalado o

Cemitério da Freguesia, que foi transferido para o alto do morro próximo à igreja. Na Praça João Werneck.


Fazendas Históricas 

No extenso “Inventário das Fazendas do Vale do Paraíba Fluminense”, do Inepac, 11 delas estão localizadas em São José do Vale do Rio Preto e guardam parte da história da região: Bela Esperança, Bela Vista, Belém, Bela Ribas, Boa Vista, do Calçado, do Castelo, de Águas Claras, São João do Paquetá, Sossego e Valverde.

A Belém, a de Águas Claras e a Bela Esperança tiveram os primeiros telefones do país e são exemplos da nobreza latifundiária, beneficiada pelos ciclos do ouro e do café. A antiga fazenda de Águas Claras é hoje um bairro do município. A Valverde atualmente funciona como hotel.
 

Patrimônio imaterial:

Sociedade Musical Lira Santa Cecília – Fundada em 1945, é uma banda que resiste, defendendo a boa música em coretos, festas, procissões e eventos cívicos.

 
Lendas:

É preciso ter coragem para passar pelos arredores da fazenda Valverde depois da meia-noite de lua cheia: por lá, ouve-se um arrastar de correntes que os mais

velhos atribuem aos fantasmas de um cemitério de escravos.

É também à meia-noite, só que em ponto – nem um minuto a mais nem um a menos – que quem passa pela região de Pedras Brancas sente um vento forte, como se fosse uma mão batendo no rosto, ao topar com a árvore que chora.

E é chorando de medo que o povo fica só de pensar em ter que andar pelas matas de Morro Grande, onde um animal desconhecido chamado Mão Pelada ataca quem perturba seu habitat.


Suas principais datas comemorativas são:

 
Carnaval

A escola de samba Unidos de Santa Fé anima a folia. A agremiação carnavalesca surgiu no bairro da Santa Fé e desfila há quase cinco décadas, sem concorrência, nos carnavais da cidade. Além dela, a festa conta com a animação dos blocos. 

 
Dia 19 de março – Dia de São José

 
Dia 15 de agosto – Dia de Nossa Senhora da Glória

Festa de Agosto – A festa é realizada no dia de Nossa Senhora da Glória. Um dos mais tradicionais eventos de São José do Vale do Rio Preto, conta com barracas de comidas típicas, leilão de gado e venda de artesanato na Praça João Werneck.

 
Dia 15 de dezembro – Aniversário da Cidade.


Compartilhe!